A Lei Geral de Proteção de Dados irá transformar a forma que incluímos ou gerenciamos nossos dados na internet. Mas o que de fato essa lei muda em nosso dia a dia?

O presidente Jair Bolsonaro publicou uma medida provisória que adia para maio de 2021 a entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) no Brasil. Mas você sabe como esta lei irá impactar sua vida?

Sancionada em agosto de 2018 pelo então presidente Michel Temer. A LGPD tinha previsão de entrar em vigência no segundo semestre deste ano, e define regras de como armazenar dados digitais no Brasil. Abrangendo desde um simples site de compras até grandes empresas como bancos e hospitais. O intuito da LGPD é trazer uma mudança positiva no tratamento de nossas digitais. Assim como segurança jurídica com a padronização de normas e práticas, assim garantindo transparência no manuseio de nossos dados digitais.

A LGPD reforça a necessidade das empresas, em especial as de TI, investirem cada vez mais em segurança da informação. Uma vez que o vazamento de dados poderá resultar em punições severas. As multas decorrentes ao desenquadramento dessa lei podem chegar a R$ 50 milhões. Abrangendo desde a coleta até o armazenamento ou transferência de informações, a lei obriga o consentimento integral do usuário em todos os processos. As corporações, especialmente as de tecnologia, deverão aumentar a fiscalização de onde as informações têm de ser armazenadas. É importante enfatizar que este manuseio de dados também se estende para a relação do empregado com o empregador.

Caso Facebook

As empresas deverão tomar certos cuidados ao se comunicar com seus usuários, pois será necessário deixar claro onde seus dados serão utilizados assim dando ao consumidor o total conhecimento do produto que está adquirindo, ou do porquê suas informações são necessárias para um cadastro. Essa medida os faz estar completamente de acordo com aquilo que ele esteja acessando e/ou consumindo. Para pessoas menores de 18 anos, os pais ou responsáveis deverão concordar ou não com a inclusão dos dados na plataforma ou serviço.

Vamos tomar como exemplo o famoso caso da assessoria de dados britânica, Cambridge Analytica. Ela usou dados de usuários do Facebook, sem o conhecimento e autorização dos mesmos, para auxiliar a campanha do então candidato Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos, com esta nova lei, a rede social deveria avisar previamente e apenas enviar as informações daqueles que tivessem concordado.

Tentando aplicar a LGPD para nosso dia – a – dia listamos algumas situações nas quais violaremos a lei:

  • Armazenar arquivos como pen drives, cartões de memória ou HD externos, que contém dados pessoais fora de uma base de dados segura.
  • Alterar o contrato de termos & serviços do site sem o conhecimento e consentimento do usuário que tem seus dados na base de dados;
  • Pessoas menores de 18 anos se cadastrarem ou incluírem suas informações em locais. Sem o conhecimento de seus pais ou responsáveis;
  • Permitir que colaboradores usem seus dispositivos pessoais para fins de trabalho. Sem qualquer tipo de bloqueio de segurança com a finalidade de evitar roubos ou cópias de dados pessoais sem criptografia.
  • A medida provisória que determinou o adiamento da lei, deu mais tempo para as empresas se adaptarem as novas diretrizes e assim evitarem punições. Veja a íntegra da lei.

    Sua empresa precisar se enquadrar a essa lei, e aumentar a segurança de seus dados, assim como de seus colaboradores? A Darede, empresa Gold Partner da Microsoft, oferece soluções de Office 365. Eles trarão segurança e confiabilidade fazendo com seu negócio fique no controle do manuseio de seus dados. Conte com a Darede para revolucionar o ambiente de TI de sua empresa!

    Quer ler mais artigos sobre tecnologia? Acesse nosso blog!

    OUTRAS PUBLICAÇÕES

    Home Office e Cloud: Como elas se complementam?

    A pandemia trouxe grandes mudanças no mundo corporativo, e a popularização do trabalho remoto foi uma delas. Confira o artigo que fala sobre como a cloud computing auxiliou nesse processo. 07/10/2022 Por: Pamela Silva de Oliveira Depois do momento triste e conturbado que o mundo passou com a pandemia de COVID-19, o que mais encontramos por aí são as mudanças em vários setores empresariais no mundo. E a tecnologia foi um dos setores mais afetados. Cloud pós-pandemia A Cloud Computing (computação em nuvem), vem ganhando cada vez mais visibilidade e força, e com isso conquistando cada vez mais espaço na indústria atual. Esse é um modelo de distribuição de serviços digitais pela internet, ou seja, pode ser usada na criação de infraestruturas, plataformas de desenvolvimento, armazenamento de dados, aplicações de software e muitas outras coisas de forma digital. E por conta dessa utilização, o ambiente físico com hardware perde sua obrigatoriedade nos processos das empresas, assim a demanda por trabalho presencial já não vem sendo muito requisitada. Outra grande mudança na sociedade atual foi a crescente implementação de modelos híbridos ou totalmente remoto nas empresas. Realidade que, por conta da pandemia, foi posta quase como obrigatória para empresas que quisessem continuar com seus serviços em uma certa normalidade, e muitas delas se adaptaram e gostaram desse modelo, assim o trouxeram como definitivo para a continuidade dos negócios. Cloud e Home Office Com a crescente migração das empresas para o ambiente na nuvem, o gerenciamento digital delas não exige que os profissionais precisem se locomover, assim abrindo a possibilidade de contratação de profissionais de qualquer lugar do mundo, contribuindo com a redução dos gastos que normalmente se tem com as pessoas que trabalham no ambiente presencial. Ter a possibilidade do seu ambiente estar todo armazenado na nuvem, além do modelo de responsabilidade compartilhada, como o que a AWS oferece, também permite que um profissional necessite apenas do seu conhecimento e um meio de acesso para fazer o seu trabalho, tornando o gerenciamento de serviços mais ágil e maior a segurança para as empresas. Muitas pessoas se beneficiam com o trabalho home office e ver que o mercado se abre cada vez mais para essa realidade, esse é um grande marco. Como exemplo disso, temos a DAREDE que é destaque no mercado de tecnologia na nuvem e tem a grande parte dos seus funcionários trabalhando em home office, mostrando que conseguimos manter a qualidade dos nossos serviços e possibilitando a contratação de pessoas de qualquer lugar do mundo. Darede Academy Pamela Silva de Oliveira Mentor: Ricardo Lemos ricardo.lemos@darede.com.br Equipe de novos talentos do mundo da TI que estão sendo preparados para os desafios da profissão.

    O que é o AWS DMS?

    O que é AWS Database Migration Service (DMS)?  O AWS Database Migration Service (AWS DMS) é um serviço gerenciado da Amazon Web Services (AWS) que permite a replicação e migração de bancos de dados de forma fácil, segura e sem perda de dados. O DMS é compatível com migrações homogêneas, como de Oracle para o Amazon RDS for Oracle, e migrações heterogêneas (entre diferentes plataformas de banco de dados) como de Oracle ou Microsoft SQL Server para o Amazon Aurora.  Como o serviço funciona? Com o AWS DMS é possível optar por instâncias sob demanda ou utilizar a tecnologia sem servidor. O AWS Database Migration Service Serverless provisiona e gerencia a capacidade automaticamente.  Durante a migração as alterações realizadas no banco de dados de origem são replicadas continuamente no destino. Sendo assim,  o banco de dados de origem permanece operacional durante a migração, minimizando o tempo de inatividade de aplicações que dependem do banco de dados.   Após a conclusão da migração o banco de dados de destino permanece sincronizado com o de origem pelo tempo que for determinado, permitindo que a transição para o banco de dados ocorra no momento adequado.   O suporte é oferecido para diversos cenários, como: Do Oracle para o Amazon Aurora (compatível com MySQL), do MySQL para o Amazon Relational Database (RDS) para MySQL, do Microsoft SQL Server para o Amazon Aurora (compatível com PostgreSQL), do MongoDB para o Amazon DocumentDB (compatível com MongoDB), do Oracle para o Amazon Redshift e Amazon Simple Storage Service (S3). Principais componentes do AWS DMS  Instâncias de replicação: São máquinas virtuais EC2 que executam o software de replicação do DMS para extrair, transformar e carregar dados entre as origens e os destinos.   Endpoints: Representam as origens e destinos dos dados a serem migrados. Podem ser endpoints de banco de dados, como o Amazon RDS ou o Amazon Aurora; endpoints de armazenamento, como o Amazon S3; ou endpoints de mensagens, como o Amazon Kinesis.   Tarefas: São as configurações que definem a migração dos dados entre os endpoints. As tarefas especificam as tabelas a serem migradas, as transformações a serem aplicadas e outras opções de configuração.   Eventos: Permitem o monitoramento das tarefas e a captura de eventos relacionados à migração, como erros, conclusões, atualizações de status, entre outros.  Além disso, o AWS DMS inclui recursos como:   – AWS DMS Schema Conversion: Para converter esquemas e códigos-fonte;  – AWS DMS Serverless: Para provisionar, monitorar e ajustar automaticamente a escala de recursos de capacidade para uma migração com pouca intervenção humana.  Melhores práticas com o AWS DMS  É fundamental realizar uma análise detalhada das características do ambiente e das cargas de trabalho para definir a estratégia de migração mais adequada. Também é necessário um planejamento cuidadoso, incluindo a escolha dos endpoints corretos, a configuração das tarefas de migração e a definição de transformações de dados, se necessário.   Testes de migração em um ambiente propício são atividades relevantes antes de realizar a migração em produção. Assim, pode-se validar a funcionalidade dos dados e ajustar as configurações, caso se aplique.   Já durante a migração, monitorar as tarefas de migração e os eventos relacionados são fatores essenciais para a identificação de possíveis ocorrências e garantia no sucesso da migração. Billing e Free Tier  O AWS Database Migration Service (DMS) possui um modelo de pagamento baseado no uso. Os custos são calculados com base em fatores como o tipo e o tamanho das instâncias de replicação utilizadas, a quantidade de dados transferidos e a região da AWS selecionada para a migração.   Atualmente, o nível gratuito inclui até 750 horas de uso da instância Mono-AZ dms.t2.micro por mês durante um ano.   Na modalidade de instâncias sob demanda há um custo para as instâncias de replicação e por qualquer armazenamento de log adicional.   Thiago Marques Technical Account Manager thiago.marques@darede.com.br Technical Account Manager da Darede, formato em Rede de Computadores, e pós graduado em Segurança da Informação. Possui ampla experiência em Datacenters e Service Providers, além de ser um entusiasta em DevOps e mercado financeiro.

    Novidades da Semana 24 a 28 de maio

    Por Alan Xavier Todos os dias a AWS lança uma série novidades e atualizações em seus produtos que visam melhorar a vida de seus usuários. Reunimos algumas delas que fazem mais sentido para nosso mercado e que certamente aplicaremos em nosso dia a dia. Confira as novidades das últimas semanas. Networking & Machine Learning AWS X-Ray – Suporte a VPC endpoints O AWS X-Ray agora oferece suporte a endpoints VPC. Com esse recurso, você pode se comunicar com o serviço X-Ray a partir de sua VPC sem expor esse tráfego à Internet pública. Amazon Rekognition – Recurso que detecta até 100 palavras em uma imagem O Amazon Rekognition é um serviço de análise de imagem e vídeo baseado em aprendizado de máquina que pode identificar objetos e conceitos, pessoas, rostos, conteúdo impróprio, além de textos. Agora o Rekognition pode detectar até 100 palavras em uma imagem, o limite anterior era de 50 palavras. Além disso, você obtém maior precisão, especialmente para casos com texto ilegível, que foram rejeitados. Por último, a latência média para cada chamada de API de detecção de texto é reduzida em até 70%. AWS Transfer Family – Suporte a Microsoft Active Directory O AWS Transfer Family adicionou o suporte ao recurso de autenticação com o Microsoft AD. Compute AWS App2Container – Suporte à implantação de aplicativos do AWS App Runner O AWS App2Container (A2C) adicionou o suporte à implantação de aplicativos da web Java e Springboot em contêineres para o AWS App Runner. Com esse recurso, os usuários agora podem direcionar o App Runner como runtime de implantação, além de ECS e EKS que eram compatíveis anteriormente. AWS Compute Optimizer – Novas atualizações O AWS Compute Optimizer lançou novas atualizações para suas recomendações de tipo de instância EC2. Por meio delas, o Compute Optimizer melhorou a qualidade das recomendações, dobrou o número de tipos de instâncias EC2 com suporte, ofereceu insights mais profundos e forneceu aos clientes uma maneira de identificar as alterações de configuração do sistema operacional necessárias para aplicar as recomendações. Amazon Elastic Container Service – Recurso Anywhere disponível A AWS anunciou a disponibilidade do Amazon ECS Anywhere, uma ferramenta que fornece um serviço de orquestração de contêiner totalmente gerenciado que permite aos clientes executar e gerenciar aplicativos em contêineres localmente usando as mesmas APIs, gerenciamento de cluster, monitoramento e pipelines de implantação que eles usam com o Amazon ECS atualmente. Os clientes podem usar o Amazon ECS Anywhere em sua própria infraestrutura, conectando seus servidores ou instâncias ao control plane gerenciado do Amazon ECS. Database & Storage Amazon MSK – Suporte a Apache Kafka versão 2.7.1 O Amazon Managed Streaming para Apache Kafka (Amazon MSK) agora oferece suporte ao Apache Kafka versão 2.7.1 para clusters novos e existentes. AWS Database Migration Service – Suporte a versão 13 do PostgreSQL em preview O AWS DMS anunciou suporte ao PostgreSQL versão 13 no modo preview. Amazon Aurora MySQL – Maio disponibilidade das réplicas de leitura O Amazon Aurora MySQL Compatible Edition agora mantém a disponibilidade de leitura mesmo se o master reiniciar. Anteriormente, quando o master era reiniciado, todos os nós em um cluster Aurora MySQL também eram reiniciados também. Com o lançamento, os nós de leitura continuarão a atender às solicitações durante a reinicialização do master. Amazon Aurora with MySQL – Compatibilidade com instâncias do tipo T3.large O Amazon Aurora MySQL agora é compatível com instâncias do tipo t3.large. Anteriormente as instâncias suportadas eram apenas: t3.medium, t3.small e instancias r5. Amazon FSx for Lustre – Suporte a compactação de dados O Amazon FSx for Lustre agora oferece suporte à compactação de dados, permitindo que você reduza o custo de armazenamento para aprendizado de máquina e computação de alto desempenho. Security AWS Security Hub – Suporte à integração bidirecional com Atlassian Jira Service Management O AWS Security Hub agora oferece suporte a uma integração bidirecional com Atlassian Jira Service Management (JSM). Essa atualização possibilita a criação e atualização de problemas de modo automático no Jira, tudo isso a partir das descobertas do AWS Security Hub. Essa integração está disponível por meio do AWS Service Management Connector para o aplicativo JSM. AWS Wavelength – Compliance com System and Organization Controls (SOC) O AWS Wavelength agora está compliance com o SOC 1, 2 e 3. Quer saber as novidades da AWS das últimas semanas? Leia nosso blog! E acompanhe toda sexta-feira em nosso canal do Youtube nossa live sobre as Novidades da Semana.

    Nós usamos cookies para garantir e oferecer a melhor experiência de navegação em nosso site! Mais informações