Neste artigo resumimos tudo o que você precisa saber sobre as mudanças que vêm acontecendo na VMware, desde a sua aquisição pela Broadcom, em novembro de 2023.

08/05/2024

Por Flávio Rescia.

Revisado por Elisa Castro e Cassius Oliveira.

VMware: a história e o fim de um ciclo. 

Contextualizando, a VMware é uma empresa fundada em 1998, no Vale do Silício, responsável por criar a mais robusta e mais utilizada solução de virtualização de servidores para ambientes corporativos, já em meados dos anos 2000. A VMware foi criada em um momento em que o conceito de Virtual Machines (servidores virtuais) já existia, mas ainda era pouco utilizado em ambientes corporativos padrões. Desde o início desse século, a VMware difundiu e consolidou conceitos como: 

Gerenciamento centralizado: através do vSphere, uma plataforma de virtualização, passou a ser possível gerenciar de forma centralizada milhares de hosts/nós/servidores com um software único, o vCenter. 

Vmotion: Técnica onde é possível migrar uma VM (Máquinas Virtuais) entre servidores físicos diferentes, sem parada na operação do sistema operacional, na rede ou no IO da VM. 

HA (Alta disponibilidade): redundância de servidores virtuais entre servidores físicos. 

Migração P2V: quando você migra um servidor com um sistema operacional Linux ou Windows, instalado diretamente nele, e o transforma em uma VM no cluster VMware. 

Essas funcionalidades, que hoje parecem simples e cotidianas, eram extremamente inovadoras no início dos anos 2000. Participamos de algumas palestras, e em uma delas, quando foi demonstrado o funcionamento do vMotion, a audiência ficou absolutamente deslumbrada com a nova possibilidade. 

De lá para cá, diversas empresas passaram a usar o vSphere e outros softwares da VMware em suas operações, que hoje mantém cerca de 54.7% do Market Share, segundo o site 6sense. O ganho desse mercado se deu principalmente com as aquisições da EMC, em 2003 e posteriormente pela Dell, em 2016

Nos últimos anos, a VMware entendeu que as mudanças do mercado vêm caminhando para um cenário com maior protagonismo de soluções em Nuvem. Até novembro de 2023, a VMware vinha se posicionando como uma empresa Cloud Native, com participação no CNCF, onde ela é membro Platinum e colabora ativamente com softwares OpenSource, como é o exemplo do Veleiro. 

Em 2017, a VMware anunciou a VMware Cloud on AWS, uma oferta em conjunto com a Amazon Web Services, que provê o uso de um cluster de vSphere na nuvem AWS (e depois no GCP e Azure), em um modelo de pagamento “pague apenas pelo que utilizar” (Pay as you Go). Sem a necessidade de aquisição dos servidores físicos nem do licenciamento, uma vez que a solução incluí tudo isso, no quesito horas você pode ter um cluster vSphere disponível para integração com um cluster onPremise e uma migração rápida. A Darede participou de diversos projetos de VMware Cloud on AWS, em conjunto com a TripleS criamos um vídeo que explica com detalhes o funcionamento do VMC, em abril de 2020.  

Segue o link do vídeo: 


Adotada e adorada tanto por clientes mais tradicionais, que já utilizam o vSphere por décadas, quanto por pessoas e empresas mais voltadas à modernização, devido à participação em projetos e comunidades, a VMWare, em dezembro de 2023, foi comprada e integrada à Broadcom, o que têm gerado, desde então, a diminuição drástica dessa adoração cultuada por tanto tempo. Explicaremos o porquê dessa diminuição, no bloco seguinte abaixo.  

A mudança gerada pela aquisição e integração à Broadcom 

Desde a aquisição, em dezembro de 2023, Krish Prasad, Vice-presidente da VMware, anunciou mudanças no modelo de licenciamento, como o fim da venda de licenças perpétuas e o suporte a todas essas licenças. Todo esse cenário tem forçado a nova compra de licenças (não perpétuas) para clientes que possuíam licenças perpétuas e que não queiram perder o suporte do fabricante (o que é uma prática muito comum e recomendada para grandes corporações).

Nas semanas seguintes, os portais de acesso ao licenciamento OEM (licenças vendidas por parceiros como a Dell), saíram do ar, e fóruns de discussão como o Reddit, começaram a divulgar relatos de parceiros e clientes que não estavam conseguindo renovar licenças e nem obter suporte a serviços antes contratados.  

Confirmando as especulações desse cenário de dúvidas e de muita insegurança, a VMware/Broadcom passou a soltar propostas, muitas inclusive para clientes da Darede, de renovação do suporte, com valores 4x, 10x e até 12.5x mais caros, como no caso desse post de uma universidade no Reino Unido, que alega sair de uma proposta de £40k, aproximadamente R$ 254 mil reais, para £500k, cerca de R$ 3.1 milhões de reais. 

As explicações para esses aumentos são: 

  1. As licenças perpétuas pararam de ser comercializadas, junto de seu suporte. Por conta disso, para os clientes que queiram ter suporte em seus ambientes, só resta comprar novas licenças (não perpétuas), nesse novo modelo anunciado. 
  2. Diversos bundles (pacotes de produtos) foram descontinuados, e apenas três pacotes permaneceram disponíveis. Porém, como os três pacotes incluem muitos produtos, o custo final ficou muito caro. 

Mas há relatos de empresas que estão renovando suas licenças usando os mesmos bundles (que em teoria deveriam ter sido descontinuados), porém com valores muito maiores em relação aos valores anteriores. 

A VMware promete lançar em breve novos serviços, agora no modelo de assinatura, para substituir antigos bundles focados em públicos mais específicos, como SMBs e Startups. Mas até lá, sobram poucas alternativas. Aqui você vê a lista de serviços descontinuados, para saber se você terá problemas em sua renovação. 

Em um primeiro momento, uma alternativa a esse aumento drástico do preço das licenças, passou a ser o uso do VMware Cloud, onde passamos a receber diversas demandas de clientes querendo migrar para a nuvem, usando o VMware Cloud on AWS, uma vez que os preços do VMC não haviam sofrido mudanças ainda. Pelo menos não até a semana passada! 

A Broadcom/VMware acaba de anunciar o fim da comercialização do VMware Cloud, por todas as nuvens anteriormente homologadas. Dessa forma, novas vendas deixaram de ocorrer a partir do dia 2 de maio de 2024, ao passo em que novas renovações deverão ocorrer somente através da Broadcom. Não sabemos ao certo como ficarão os ambientes onDemand, aqueles que são pagos mensalmente pelo uso, mas a grande maioria dos projetos de VMC eram feitos com reservas (contratos) de 1 ou 3 anos.  

Em resposta a boatos de que o VMware Cloud on AWS deixaria de ser comercializado, Hock Tan, CEO da Broadcom, anunciou, em 6 de maio, por uma postagem, que o VMC on AWS continuará a ser comercializado, mas apenas pela VMware. Ou seja, a AWS não poderá mais comercializar esse serviço diretamente. Em resposta a isso, o antigo site do VMware Cloud on AWS já mudou e não cita mais esse produto, apenas outros serviços e a facilidade de migração de VMware para outros serviços AWS. 

O fato é que as decisões e a comunicação da Broadcom vêm trazendo uma insegurança e um descontentamento muito grande com seus clientes. 

Primeiramente, procure seu parceiro e discuta todas as possibilidades e soluções para esses problemas e inseguranças que se materializaram em maio de 2024. A Darede tem expertise em cenários de incerteza e possui um extenso leque de soluções, que visam trazer benefícios de custo, performance, eficiência, entre outros, todos conforme a necessidade do seu negócio. 

O que temos visto de nossos clientes e parceiros é que, em sua grande maioria, tanto empresas com ambientes onPremise, como ambientes já em nuvem com VMC, têm sofrido de maneira impactante com todas essas decisões e mudanças anunciadas pela Broadcom. Temos visto casos de até 1250% de aumento nos custos de VMware. Muitas empresas têm renovado suas licenças, mesmo com grande custo financeiro, por não terem tempo, nem a curto ou médio prazo, de migrar seus ambientes. Outras estão arriscando permanecer com a infraestrutura, mas sem renovar o suporte, o que é um grande risco, pois essa infraestrutura e seu funcionamento são vitais para os ambientes de TI, que se tornam cada vez mais críticos e necessários para os negócios. Ficar sem suporte em cenários de incidentes é inviável e não ter atualizações para o seu ambiente é um problema gigante a longo prazo. 

Diante desse cenário caótico com a VMware, as empresas estão optando por migrar seus ambientes para serviços de nuvem nativos, tanto para fugir de problemas de orçamento quanto para não arriscar pela dúvida do futuro incerto e das mudanças que ainda podem acontecer com a VMware. 

O que são serviços de nuvem nativos? 

No contexto de VMware, VMC e AWS, o termo serviço nativo é normalmente usado para definir serviços que não mantêm a compatibilidade com ambientes virtualizados legados, como a VMware. Muitas empresas que já migraram para a VMC nos últimos anos já fizeram esse movimento com a estratégia de usar a VMC por um período, para logo depois migrar para serviços “não-VMWare”. Um exemplo clássico de um serviço nativo e solução perfeita para substituir as VMs é o EC2, serviço de virtualização de servidores da AWS que traz todas as funcionalidades do VMware, e muitas outras, como o autoscaling, o armazenamento de objetos (com o S3), a escalabilidade virtualmente infinita de armazenamento, etc. 

A AWS, assim como outros provedores de nuvem, possuí centenas de serviços, desde armazenamento, backup, monitoramento, até serviços que incluem bancos de dados gerenciados (serverless) compatíveis com: Oracle, SQL Server, MySQL, PostgreSQL, MongoDB.  

Existem diversas opções de nuvem hoje em dia, mas aqui na Darede optamos particularmente pelo uso da AWS como nossa nuvem principal, pelos seguintes motivos: 

  1. Acreditamos que precisamos ser excelentes em uma nuvem, para depois avançarmos para o uso de múltiplas nuvens; 
  2. Entendemos que a AWS é a nuvem mais madura e isso faz muita diferença pela variedade de serviços, mas também pela qualidade dos serviços que ela oferece; 
  3. A Amazon possuí uma cultura de propósitos e princípios muito alinhados com os nossos. 

A AWS já se posicionou, tanto com publicações como com anúncios de incentivos (Link), para demonstrar como é possível migrar de ambientes VMware para serviços nativos AWS.  

A Darede converteu esses incentivos em uma oferta exclusiva, que incluí: 

  • Plantão de time técnico e de negócios para entender seu cenário, sem compromisso; 
  • Incentivos que podem pagar até 100% do serviço de migração; 
  • Construção sem custo da fundação: boas práticas de governança, segurança e conectividade; 
  • Capacitação e certificação de sua equipe para garantir a migração e sustentação do seu ambiente; 
  • Serviço de sustentação do ambiente de até 3 meses para segurar as pontas até seu time estar pronto;  
  • Descontos no custo da AWS para ajudar a acelerar sua migração.

Seja para uma simples consulta ou para contratar nossos serviços, criamos uma página com todas as informações sobre esse momento difícil que muitos estão passando. Não deixe de conferir!

https://darede.com.br/vmwaretoaws/ 

Links e Referências

[1] Do inglês High Availability, termo usado quando você garante um tempo de parada muito próximo a zero usando redundância entre recursos de TI, como firewalls, servidores, roteadores e switches. 

[2] Do inglês Physical to Virtual, com um simples agente no servidor de origem, você consegue copiar o servidor “não VMware” para o VMware. 

[3] https://6sense.com/tech/virtualization/vmware-vsphere-market-share 

[4] https://news.vmware.com/releases/emc2 

[5] https://www.dell.com/en-us/dt/corporate/newsroom/announcements/2016/09/20160907-01.htm 

[6] CNCF: Acrônimo de Cloud Native Computing Foundation, é um braço da Linux Foundation e tem o objetivo de manter e expandir ferramentas para uso em nuvem como o Kubernetes. Diversas empresas, como Amazon, Google e Microsoft, colaboram com a CNCF que dita as tendências tecnológicas no mundo de nuvem. 

[7] https://landscape.cncf.io/?item=cncf-members—-vmware-member 

[8] Veleiro é um software opensource para proteção de dados, backup e recuperação de desastre de ambientes Kubernetes. O Veleiro é muito utilizado por muitas empresas, inclusive por clientes Darede. 

 [9] https://news.vmware.com/releases/vmware-and-aws-announce-initial-availability-of-vmware-cloud-on-aws 

 [10] https://triples.com.br 

[11] https://www.reddit.com/r/vmware/comments/19dm7md/another_vmware_renewal_story_likely_a_1250_uplift/ 

 [12] SMB é a sigla para Small, Medium Business, ou Pequenas e Médias empresas.

 [13] https://blogs.vmware.com/cloud-foundation/2024/01/22/vmware-end-of-availability-of-perpetual-licensing-and-saas-services/ 

[14] https://aws.amazon.com/blogs/mt/migrate-vmware-virtual-machines-to-amazon-ec2-with-the-aws-application-migration-service-replication-agent/   

[15] https://www.broadcom.com/blog/vmware-cloud-on-aws-here-today-here-tomorrow 

https://www.convergenciadigital.com.br/Cloud-Computing/Broadcom-chega-demitindo-mais-de-1000-funcionarios-da-VMware-64854.html?UserActiveTemplate=mobile 

https://itforum.com.br/noticias/vmware-encerra-licencas-perpetuas/ 

https://www.channel360.com.br/desafios-parceiros-aquisicao-vmware-broadcom/ 

foto-flavio-rescia-dias
Flavio Rescia Dias CTO & Co-Fundador da Darede
flavio.rescia@darede.com.br

Atuando desde 2006 no mercado de tecnologia, Flávio Rescia é um dos fundadores da Darede, empresa de consultoria de serviços de TI, na qual atua como CTO. Ele possui diversas especializações no setor, sendo a última a Certificação AWS Solutions Architect - Professional.

OUTRAS PUBLICAÇÕES

Container Registry

Seguindo a série de artigos sobre container, dessa vez nosso #cloudspecialist Thiago Nunes fala sobre as principais ferramentas de container.

Nós usamos cookies para garantir e oferecer a melhor experiência de navegação em nosso site! Mais informações