Ao adicionar um disco em um servidor é preciso criar antes a partição que será utilizada, por isso veja qual é a melhor opção disco MBR ou GPT

02/09/2022
Por José Anderson Vila Nova

Quando você adiciona um disco em um servidor, antes de criar a partição que será utilizada, você se depara com a primeira escolha. Disco com tabela MBR ou GPT. Qual é a melhor opção? Vamos entender algumas diferenças básicas, que o auxiliarão na escolha.
MBR é a sigla de Master Boot Record. GPT é a sigla de Guid Partition Table. A MBR é mais antiga, e utilizada desde as primeiras versões do Windows, enquanto a GPT é mais recente. Vamos ver um comparativo básico entre suas principais diferenças:

MBR vs GPT

Tabela de Disco
MBR: No disco, uma pequena área é alocada para armazenar informações de como o disco deve ser utilizado. O MBR guarda essa informação em único local. Se essa tabela for corrompida, ela precisará ser reparada. Se não for possível realizar a reparação, pode não ser possível iniciar o sistema operacional nesse disco.
GPT: As informações necessárias para o uso do disco, são replicadas para outras áreas. Assim, se uma área for corrompida, ele pode localizar outro local com essas informações. Além disso, o GPT possui uma ferramenta para detectar erros. Se algum erro for detectado, ele mesmo se encarregará de tentar reparar a área corrompida. Portanto, o GPT é mais seguro nesse ponto.

Partições
Para utilizar o disco, é necessário criar uma partição que conterá os dados. Mesmo que você costume criar uma única partição por disco, é importante conhecer as limitações abaixo:
MBR: possui um limite de até 4 partições primárias em um único disco.
GPT: no Windows é possível ter até 128 partições em um único disco.

Capacidade por disco
MBR: Pode ser utilizado em discos de até 2TB.
GPT: Pode ser utilizado em discos de até 9,4ZB (zettabytes).

Para demonstrar, adicionamos um disco de 1TB e outro de 2,5TB ao servidor. Para utilizar os discos precisamos primeiro criar a tabela (MBR ou GPT). Teremos as opções “Initialize Disk” ou “Online”. Ao clicar em qualquer uma dessas opções, você será questionado se deseja configurar como MBR ou GPT.




Criamos ambos os discos como MBR para demonstrar o que acontece. Observe abaixo:

O disco de 1TB, criou um espaço único de 1TB. No entanto, ao utilizar o MBR no disco de 2,5TB, ele separou em uma parte de 2TB e outra de 512GB (lembre-se que o MBR possui uma limitação de 2TB por disco). Essa separação não ocorreria se tivéssemos utilizado o GPT. Talvez você se pergunte. Mas então eu posso utilizar um disco com mais de 2TB em MBR, e então utilizar o espaço de 2TB e o de 512GB, como discos “independentes”, certo? Bem, criamos um sistema de arquivos na parte de 2TB como NTFS. Vamos agora tentar criar um sistema NTFS na parte que sobrou de 512GB. Observe:

Não é possível criar mais nenhum volume. Então, se vai usar discos com mais de 2TB, utilize o GPT.

Conversão de MBR em GPT

Se você está utilizando MBR, é possível converter em GPT? Se você ainda não criou nenhum sistema de arquivos, a resposta é sim. Ou seja, isso só ocorre enquanto você ainda está criando o disco.


Caso o disco já tenha um sistema de arquivos, a resposta é não. Não é possível modificar entre MBR e GPT.

Se você apagar o volume NTFS criado anteriormente, a opção é exibida novamente:

Lembra que o disco de 2,5TB, ficou particionado em 2TB e 512GB? Observe o que aconteceu quando mudamos MBR para GPT.

Caso você já tenha dados em um disco de 2TB, e precise expandir esse disco, você precisará utilizar GPT. Nesse caso, existem ferramentas na internet que realizam essa conversão, mesmo com dados no disco. Mas por serem ferramentas independentes, não temos como garantir sua eficácia. Se desejar testar, recomendamos que faça um backup de todos os seus dados antes de realizar o procedimento. Caso contrário, se não deseja se arriscar, crie um novo disco em GPT, adicione ao servidor, e faça a migração dos dados, antes de descomissionar o disco com MBR.
Até a próxima!

foto-jose-anderson-vila-nova

José Anderson Vila Nova
Cloud Architect
anderson.vilanova@darede.com.br

O José Anderson Vila Nova Profissional de Infraestrutura com ênfase em produtos Microsoft, com experiência no suporte e implantação de aplicativos e serviços. Ele possui diversas certificações técnicas e das duas maiores plataformas de serviços em nuvem: a MS100 da Microsoft e a AWS Cloud Practitioner.

OUTRAS PUBLICAÇÕES

Novidades da semana – 22 a 26 de março

Por Flávio Rescia Todos os dias a AWS lança uma série novidades e atualizações em seus produtos que visam melhorar a vida de seus usuários. Reunimos algumas delas que fazem mais sentido para nosso mercado e que certamente aplicaremos em nosso dia a dia. Confira as novidades da última semana. Segurança e Governança AWS Cost Categories – Suporte a hierarquia e valores default O AWS Cost Categories permite criar uma visão baseada em categorias compostas de contas, tags, tipos de serviços etc. Ou seja, agora é possível ter subcategorias baseadas nesses atributos e “setar” uma categoria padrão para o que não for categorizado AWS License Manager – Recurso de exclusão de condições para licenças AWS License Manager é um serviço gratuito da AWS que permite controlar licenças na AWS e onPremise, e agora é possível excluir determinadas condições para não consumirem licenças gerenciadas pelo serviço. AWS Security Hub – Suporte à integração com dados do Amazon Macie AWS Security Hub, que concentra diversos serviços de segurança da AWS agora suporta adicionar automaticamente os dados do Macie, serviço gerenciado que busca por dados sensíveis em massa de dados. AWS Audit Manager – Compatibilidade com PCI e suporte a CIS AWS Foundation Benchmark AWS Audit Manager, um serviço que foi lançado no Re:Invent 2020 e que concentra inventário para auditoria, já é compatível com PCI, e agora também suporta CIS AWS Foundation Benchmark Level 1 e 2. AWS Backup – Recurso de deleção em lote AWS Backup, o serviço de gerenciamento de backup compatível com diversos serviços como EFS, RDS, S3, FSx e outros, agora possui recurso para deleção em lote, o Bulk Deletion, onde é possível deletar diversos pontos de restore em apenas uma chamada. AWS SSO – Suporte a Virtual Studio Code Toolkit AWS SSO agora é suportado pelo Visual Studio Code Toolkit, ou seja, a novidade possibilita integrar a autenticação do serviço diretamente com seu VSCode. Na postagem do Blog da AWS, Garret Sweetwood dá detalhes de como usar a integração. Amazon CloudTrail – Versão com DynamoDB com nova funcionalidade Nova funcionalidade do CloudTrail com o DynamoDB, agora no CloudTrail é possível registrar eventos que aconteceram no nível do banco de dados, podendo incluir quem e quando foi feito chamadas no DynamoDB, sendo possível habilitar baseado em tabelas ou filtros de leitura e escrita. Database & Compute Amazon Timestream – Suporte a VPC Amazon Timestream, o banco de dados time series da AWS agora possui suporte a VPC Endpoint, o que traz mais segurança além de redução de custo para alguns cenários. AWS Proton – Novo recurso para templates do serviço AWS Proton, serviço de gerenciamento e criação de microserviços usando Container e Serverless, adicionou o recurso “Termination Protection” para uso nos seus templates. Amazon EC2 – suporte a UEFI Boot Amazon EC2 agora suporta UEFI Boot quando migrado de on-premises, esse recurso não era suportado no passado, agora ele possibilita migrar servidores ou VMs com Boot UEFI usando ferramentas como Server Migration Services ou CloudEndure. AWS Fargate – Versão LATEST 1.4.0 disponibilizado AWS Fargate, a modalidade de Containers Serverless da AWS disponibiliza como versão LATEST 1.4.0, que conta entre outras coisas com o esperado suporte à EFS, o NFS gerenciado da AWS, e o Amazon ECS Exec, que permite acessar a CLI de containers via web console. Um Blog post bem legal escrito por Massimo Re Ferre é possível traz todos os detalhes Amazon EKS – Aumento na velocidade do controle Plane Novidade no Amazon EKS, agora a criação do controle Plane está mais rápida. O processo se dá no máximo em 9 minutos, isso é ótimo para produtividade, mas principalmente para cenários onde o plano de DR depende da criação de um novo cluster. Detalhes em: https://aws.amazon.com/blogs/containers/aws-fargate-launches-platform-version-1-4/ ROSA – Nova solução A Amazon em conjunto com a RedHat lançaram Openshift Gerenciado, nomeado de ROSA, RedHat Openshift Service on AWS. O Kubernetes “com roupinha de sair da turma do chapéu vermelho” já vem compatível com SOC-2, PCI e ISO-27001 e já pode ser iniciado em minutos ao custo de $20/mês + $15/mês para cada node de 4vCPU, é cobrado por hora e possui valores para reserva de 1 ano. Analytics Amazon Lookout for Metrics – Novo serviço Amazon Lookout for Metrics é um novo serviço da AWS, que analisa diversos tipos de Datasets, como Cloudwatch, ou um SQL Server por exemplo, buscando por anomalias de comportamento, e assim poder, por exemplo gerar alarmes mais assertivos. Detalhes em: https://www.youtube.com/watch?v=nT6Jn-eoviw https://www.youtube.com/watch?v=nX_YipA_-QQ AWS Glue Studio – Suporte a transformações com Queries SQL AWS Glue Studio agora suporta transformações usando Queries SQL, além do tradicional suporte a Py Spart, e agora é possível usar o novo Spark SQL. Amazon QuickSight – Novo recurso de “tootips” Amazon QuickSight, o visualizador de BI Serverless da AWS ganhou “tootips”, que dá dicas de novas visualizações e dimensões para o usuário. Além disso, o já conhecido Detector de Anomalias que permite analisar e notificar anomalias com uma métrica de top-level, sendo um agregador das outras métricas e não dos detalhes. Outra novidade é possibilidade de adicionar no dashboard quem é o autor, além de gerenciar acessos. Quer saber as novidades da AWS das últimas semanas? Leia nosso blog! E acompanhe toda sexta-feira em nosso canal do Youtube nossa live sobre as Novidades da Semana.

O que você precisa, Office 365 ou Exchange Server? – Parte 2

Confira a segunda parte do artigo sobre o uso do Office 365 e o Exchange Server. Escrito por Flávio Rescia. Levantamos os custos de cada um dos itens envolvidos em uma solução de Exchange Server e montamos uma planilha que pode ser baixada sem custo aqui. Dessa forma conseguimos uma estimativa do custo inicial (lembrando que o ideal é trabalhar com depreciação total em 36 meses) de ambas as soluções conforme imagem abaixo: Assim conseguimos comparar os planos para pequenas e médias empresas (Business) onde chegamos ao comparativo abaixo, como esses planos são limitados a 300 contas, limitamos dessa forma: Para fazer o comparativo acima, dividimos o investimento inicial por 36 (número de meses até a necessidade de troca dos equipamentos e licenças). Agora para planos Enterprise (E1,E3 e E5) não há limite de contas, caso você não precise do pacote Office Offline, temos o ponto de encontro próximo há 300 contas. Coincidência, não? Agora se você precisa do pacote Office Offline temos duas opções: • Exchange Server + Pacote Office (em nosso exemplo usamos o standard) • Office 365 Business ou >E3 Assim fizemos uma comparativo para essas opções, com o valor do Office Standard mentalizado (valor dividido por 36 meses) lembrando que o Business Essentials permite apenas 300 contas: Considerações Não consideramos custo com backup para solução com Exchange Server por entender que uma possível contingência e o de recursos do próprio Exchange Server (como archive e journaling) se equiparam a funcionalidades do Office 365. O valor com Microsoft Windows foi considerado no valor do servidor. Conclusão Dessa forma, conseguimos chegar às seguinte conclusões: • Do ponto de vista de funcionalidades, ambas as soluções possuem suas vantagens e desvantagens; • Os custos iniciais com Exchange Server são sempre muito elevados; • Para empresas com poucos usuários, o uso de Exchange não possuí um bom custo vs benefício; • Os planos Business do Office 365 se mostram sempre com melhor custo que as soluções com Exchange Server. Flavio Rescia Dias CTO & Co-Fundador da Darede flavio.rescia@darede.com.br Atuando desde 2006 no mercado de tecnologia, Flávio Rescia é um dos fundadores da Darede, empresa de consultoria de serviços de TI, na qual atua como CTO. Ele possui diversas especializações no setor, sendo a última a Certificação AWS Solutions Architect – Professional.

AWS Identity and Access Management (IAM): Usuários, Grupos e Funções – Guia básico

Veja nesse guia prático como funciona um dos principais serviços de segurança da AWS, o AWS Identity and Access Management (IAM)! O que é o AWS Identity and Access Management (IAM)? O AWS Identity and Access Management (IAM) é um serviço regional da AWS que permite que você configure e gerencie identidades e seus tipos de acessos. Conceitos No AWS IAM temos alguns conceitos como usuários, grupos, funções, políticas e permissões ( do inglês seria Users, Groups, Roles e Policy Document). E o que é tudo isso e como eles se relacionam? Usuários/Users:  Usuários são pessoas com credenciais permanentes. É importante ressaltar dois pontos:  Sempre use o princípio do Least Privilege – que seria dar a uma identidade somente permissões que ela necessita de fato. Nunca compartilhe o usuário root em hipótese alguma. Grupos/Groups:  Podemos dizer que grupos é o coletivo de usuários, sendo assim não é possível colocar um grupo dentro de outro. Um usuário pode participar de mais de um grupo, mas isso não é obrigatório. Funções/Roles:  A função é um método de autenticação temporária.  Imagine o seguinte: ao chegar na sua casa a sua mãe/usuário root distribui a função de cada um na cozinha e você irá cozinhar. A sua função é cozinhar, mas isso não significa que você se tornou um cozinheiro, pois a ordem da sua mãe é só por hoje, logo temporária. Desta forma, podemos anexar uma função ao usuário, grupo de usuários ou a um serviço. Entretanto, a função não é a sua permissão, continue lendo para entender… Políticas e Permissões/Policy Document Usuários, grupos e funções apenas autenticam, não oferecem autorização para realizar uma determinada ação, quem faz isso é a Policy Document ou Política e Permissões que após serem anexadas, oferecem um tipo específico de permissão. Vamos voltar ao nosso exemplo da cozinha:  A sua mãe/usuário root lhe deu a função de cozinhar (algo temporário, certo?), mas não lhe deu a permissão/policy document de mexer com objetos de vidro, somente com as panelas de aço inox, pois você é um tanto desastrado, afinal ela está respeitando o Least Privilege.  Desta forma, você/usuário recebeu a função/role de cozinhar (algo temporário) com permissão (policy document) mínima de mexer somente com panelas. Agora vamos falar de um exemplo mais próximo do nosso dia a dia? Imagine que você precisa dar um acesso via Interface de Linha de Comando da AWS para o seu estagiário. Logo você irá criar um usuário com credenciais permanentes, após isso irá anexar uma função/role temporária de 1h com a policy document permitindo o acesso via CLI. Maria Lombardi Analista de Infraestrutura em Nuvem maria.lombardi@darede.com.br Formada pelo SENAI em técnica em Redes de Computadores. Maria possui uma vasta e experiência e certificações em nuvem pela AWS. Atualmente ela atua Analista de Infraestrutura em Nuvem Jr em DevOPs na Darede.

Nós usamos cookies para garantir e oferecer a melhor experiência de navegação em nosso site! Mais informações